5 teorias sobre quem realmente escreveu a bíblia

Um cristão e um estudioso da Bíblia Sagrada olham para a Bíblia de formas extremamente diferentes. Por exemplo, um paroquiano não sabe os problemas textuais das palavras. Os estudiosos, no entanto, consideram o livro como um artefato humano, eles trabalham na tese de decodificar e desconstruí-la a partir dessa perspectiva.


Nos próprios textos do estudo bíblico, os estudiosos vieram com várias teorias sobre quem realmente escreveu as sagradas escrituras (Como é chamada a Bíblia). Confira as 5 principais teorias:


  • Deuteronômio originou-se como uma propaganda

Deuteronômio significa "Segunda lei", teoriza-se que o livro foi produzido durante o tempo do rei Josias no século VII, com intuito de promulgar novas leis que reforçam o sacerdócio e a criação de uma religião mais específica para Judá.

Deuteronômio
Fonte da imagem: listverse.com


O novo conjunto de leis reinterpreta a antiga lei dada no Monte Sinai, à luz das novas realidades políticas e sociais. Sua linguagem pressupõe uma audiência que vivem em cidades e vilas estabelecidas com um templo central. 
Há também evidências de que Deuteronômio é uma obra composta, escrita em diferentes períodos do templo.


  • João não escreveu o Apocalipse

A visão tradicional de que o discípulo de Jesus, João escreveu o livro do Apocalipse foi questionada logo no terceiro século após ser escrito. O escritor Dionísio de Alexandria, utilizando os métodos críticos ainda empregados pelos estudiosos modernos, viu a diferença entre o Grego elegante do evangelho de João e da prosa grosseiramente gramatical do Apocalipse.

Biblía
Fonte da imagem: listverse.com


Dionísio observou que o João do Apocalipse se identifica na obra, enquanto o João do evangelho não. Ele argumentou que os dois homens simplesmente dividiram o mesmo nome.

Estudiosos contemporâneos acrescentaram suas próprias ideias sobre o problema. Agora, a teoria é de que o verdadeiro autor seria um Judeu que se opunha a versão "Paulina" do cristianismo. O autor chama a Igreja "Paulina" de à "Sinagoga de Satanás".


  • As Epístolas pastorais são falsificações

As cartas a Timóteo e Tito são diferentes do estilo de escrita e foco tecnológico dos genuínos de Paulo. Isto sugere que as pastorais foram realmente o trabalho de um falsificador tentando "montar" na aba de autoria de Paulo.

A Bíblia
Fonte da imagem: Pvasiliadis/Wikimedia


Das 848 palavras (excluindo nomes próprios) encontrados nas pastorais, 306 nunca foram usadas no resto das epístolas "Paulinas". O vocabulário nas pastorais é mais parecido com a linguagem da filosofia helenística popular do que a linguagem de Paulo.


  • Simon Magus e São Paulo eram as mesmas pessoas 

Enquanto algumas das teorias deste artigo ter sido aceita pelos estudiosos críticos, outros se aventuraram em cenários mais especulativos.

São Paulo
Fonte da imagem: listverse.com


Um deles diz respeito a Simon Magus, padres da Igreja o condenaram como o criador da heresia gnóstica, e por causa de sua hostilidade para com Deus. Por isso, pode vir como um choque para os estudiosos, por que Paulo, acima de tudo, é criador de boa parte do novo testamento, mas Paulo e Simon podem sim ser a mesma pessoa.


  • Os evangelhos não são relatos de testemunhas oculares

Os quatro livros da bíblia do Novo Testamento são anônimos. Os nomes de Mateus, Marcos, Lucas e João não foram anexados a eles até o segundo século (Após a criação dos Livros).

Bíblia
Fonte da imagem: listverse.com


Eles nunca afirmaram que estavam relatando acontecimentos reais em que viam. Os evangelhos funcionam mais como anúncios religiosos do que biografias de Jesus em que são teologicamente motivados. Cada um apresenta uma interpretação particular de Jesus nas quais, Jesus serve como um porta-voz da posição teológica do evangelista.

Fonte (s) : Listverse